Notificada pela Agesul, construtora assume reparos em ponte que desabou em Jardim

O projeto foi refeito, redimensionando a estrutura condenada pela perícia, e o serviço foi iniciado esta semana com prazo de conclusão em 90 dias.

22/08/2018 às 11:34:00
-

Campo Grande (MS) – Após intervenção do Governo do Estado no sentido de garantir a qualidade e segurança das obras públicas, a empreiteira que construiu a ponte de concreto sobre o Rio dos Velhos, em Jardim, assumiu integralmente o serviço de recuperação da sua estrutura. A ponte construída em 2014 desabou parcialmente após forte temporal, em abril desse ano, e perícia técnica constatou que o projeto foi mal dimensionado.
O secretário estadual de Infraestrutura, Helianey Paulo da Silva, informou que a empresa responsável pela obra, a Sipav Engenharia, se manifestou prontamente para recuperar a ponte após ser notificada pela Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos). O projeto foi refeito, redimensionando a estrutura condenada pela perícia, e o serviço foi iniciado esta semana com prazo de conclusão em 90 dias.

Sustentada no barranco
A queda da estrutura isolou importante região de produção de grãos e de agricultura familiar de Jardim, causando prejuízos no escoamento da safra de soja e transporte de estudantes da área rurais. Na época, a Agesul implantou um desvio alternativo, próximo à ponte interditada, na localidade conhecida como Água Amarela. O cascalhamento do trecho (alagado) garantiu o tráfego de caminhões, sendo a única alternativa de acesso até o momento.
Conforme o laudo do sinistro, elaborado pela Etelo Engenharia de Estruturas, a queda da ponte é consequência de uma série de erros primários. A base de sustentação do lado direito, por exemplo, com uma viga de concreto apoiada em blocos com estacas, foi construída sobre o barranco, distante da margem do rio. Foi constatado também que os pilares da mesma linha foram construídos sobre um maciço de terra arenosa que adentrava o rio.
“Houve um acentuado recalque nas fundações da terceira linha de pilares, ocasionando um afundamento da estrutura”, aponta o laudo assinado pelo engenheiro Carlos Liberato Portugal. “Face às características da vegetação nas margens, a proximidade dos pilares na calha do rio aumenta significativamente a possibilidade de obstrução do canal pelo acúmulo de vegetação que roda durante as enchentes”, concluiu o parecer.

Ponte terá 60 metros
A reconstrução da estrutura sobre o Rio dos Velhos implica na implantação de uma abertura de 24 metros entre dois pilares, por onde, conforme estudo, ocorre a maior vazão do canal, evitando também concentração da vegetação. A extensão da ponte, que era de 48 metros, passará a ter 60 metros, com a instalação de mais um vão de 12 metros no barranco onde ocorreu afundamento de um dos pilares, construído sobre um maciço de terra arenosa.
A mesma empreiteira está readequando a estrutura da ponte de concreto que construiu sobre o Córrego do Touro, em Naviraí, há cinco anos, por recomendação da Agesul. A ponte, que liga o município a Itaquirai e Iguatemi pela MS-290, foi interditada em maio desse ano devido a obstrução no bloco de sustentação após serviços de manutenção. Como solução corretiva, a Sipav implantará um bloco de concreto para reforçar a estrutura danificada.